Veneno para Matar Camundongos

Veneno para Matar Camundongos

Desentupidora em Porto Alegre

VENENO PARA MATAR CAMUNDONGOS – PORTO ALEGRE

Construsul Dedetizadora Porto Alegre

Como Matar Ratos, Ratazanas e Camundongos

1 – Ratoeiras. – Funcionam, mas fique atento a escolha das iscas. O Queijo tradicional serve para ratos maiores, mas para camundongos, é melhor usar um farináceo como bolacha doce. Meia goiabinha é uma ótima isca.

Agora se for para deixar a ratoeira no Jardim (ou em um lugar que tome chuva), esqueça as bolachas. A maioria dos ratos que apanhei foi com esse simples aparato.

Vale lembrar que muitas vezes a ratoeira dispara, mas você não pega o rato. Isso acontece porque o bichinho é grande, e o martelo (a haste que dá uma paulada na cabeça do rato) não consegue acertá-lo, ou porque ele entrou por trás na ratoeira, e ao desarmá-la foi atirado longe.

Cuidado também se você tem outros animais no Jardim, já matei um sabia com uma ratoeira e conheço quem feriu uma tartaruga. Deixe-a no caminho que o rato passa, cantos ou mesmo dentro dos ralos pluviais, quando couber. Às vezes o rato não morre, mas fica preso, ai nada como uma boa tijolada. Quando o rato estiver morto, jogue álcool na ratoeira (ajuda a esterilizar).

2 – Cola para ratos – Funciona, basta colocar o dispositivo dentro de uma passagem dos ratos, e se quiser melhorar, coloque no centro da armadilha uma isca. Novamente cuidado, pois é possível pegar pássaros e pombos por acidente.

3 – Veneno de rato, Parafinados – Já usei, para os meus ratos não funcionou. Os ratos aprendem que o veneno pode matá-los, e após a morte de um ou dois do bando o método perde eficiência.

4 – Outros venenos – São eficientes, mas tem dois defeitos, você não sabe onde o rato vai morrer (e encontrar o cadáver embaixo da sua cama após uma semana de putrefação não é agradável) e são MUITO perigosos para crianças e outros animais. Se optar por esses, tenha certeza que as iscas vão ficar em lugar inacessível para as crianças, os gatos e os cães.

Venenos (raticidas mais comuns no mercado):

Mata Rato Ratex – Ratex é um raticida anticoagulante de segunda geração, dose única e uso doméstico. – Além de mais econômico, tem a qualidade Syngenta, que garante o controle de camundongos e ratos.Vantagens de uso• Isca granulada • Prático: isca pronta para uso • Dose efetiva pequena • Os roedores morrem após a ingestão de uma pequena quantidade do produto • Muito atrativa aos roedores: contém cereais • Maior segurança para pessoas e animais • Possui antídoto: vitamina K1

Mata Rato KleratEficiência: raticida dose única, isto é, mata qualquer espécie de roedor com a menos ingestão do mercado. Único que mata espécies resistente a anticoagulantes de primeira e segunda gerações.Praticidade: Iscas prontas para uso, aplicação limpa e fácil.Economia: menos iscas por aplicação, menor custo e menos mão-de-obra ( iscagem periódica).Segurança: apresenta antídoto, vitamina K, e contém Bitrex para prevenir a ingestão acidental das iscas por seres humanos

Mata Rato Ratax (Armadilha adesiva)-É uma armadilha adesiva, produzida com uma fórmula exclusiva, composta por um adesivo especial e um aroma super atraente, que atrai e gruda nos roedores deixando-os imobilizados, sem possibilidades de fuga.É um sistema seguro no controle de roedores, pois evita o uso de venenos, ratoeiras e gaiolas, que podem ser prejudiciais para pessoas e animais domésticos, de uma forma rápida, simples e limpa.Recomendado para usar no controle de roedores, em ambientes onde é perigoso o uso de veneno. Residências, Escolas, Creches, Igrejas, Hospitais,Clínicas Laboratórios, Bares, Restaurantes, Super Mercados, Indústrias Alimentícias, Frigoríficos, Armazéns, Silos, haras, Estábulos, Granjas, Petshops e etc.

Feijão cru: um raticida?

Feijão cru tem efeito raticida? Poderia ser usado inofensivamente para eliminar roedores sem qualquer risco para humanos ou outros animais? É verdade ou é mentira? Respondo:

De onde surgiu essa história?

R: Em 1994, portanto há 14 anos atrás, um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas/RS, FAEM / Depto. de Ciência e Tecnologia Agroindustrial, liderado pelo Prof.Pedro Antunes, publicou um trabalho científico onde analisaram quatro cultivares de feijão similares entre si comumente encontrados no comércio brasileiro (Rico 23, Pirata 1, Rosinha G2 e Carioca). Os pesquisadores estudavam o valor nutricional desses cultivares e também os fatores antinutricionais como a antitripsina e a lectina (duas substâncias tóxicas existentes em todos os feijões). Nesse ensaio, ratos brancos de laboratório (albinos da espécie Rattus norvegicus) foram submetidos a uma dieta exclusiva desses cultivares de feijão cru e os pesquisadores apresentaram suas conclusões.

No entanto, todos os ratos do estudo morreram, aliás como seria de se esperar dada à presença daquelas substâncias tóxicas no feijão cru e que são neutralizadas durante o processo de cozimento, ao qual normalmente o feijão é submetido antes do consumo. Muito recentemente, alguém leu esse trabalho e ao perceber que os ratos haviam morrido, imediatamente imaginou que o feijão poderia ser usado como um “raticida”. Pior que isso, esse alguém, sem nenhum conhecimento de causa, prontamente tachou esse “método” de seguro e sem risco, pois raciocinou que se nós humanos e outros animais comemos feijão e nada nos acontece de mal enquanto os ratos comem e morrem, estaria aí uma solução simples e barata para o eterno problema das infestações de roedores. Eureka!

O Prof.Pedro Antunes inquirido sobre essa versão apócrifa que circula na forma de post na Internet, mostrou-se horrorizado com o desvio dado à sua pesquisa, segundo nos conta o Médico Veterinário Ricardo Mathias que o entrevistou, pois a intenção dos pesquisadores era o de demonstrar o efeito nocivo do feijão cru que desaparecia quando o feijão era cozido.

Como os ratos morrem comendo feijão cru?

R: Os fatores antinutricionais existentes no feijão (também estão presentes em outras leguminosas como a soja), a antitripsina e a lectina, atuam de forma danosa em diferentes pontos do organismo, seja de um rato, seja de um cão ou seja mesmo de um ser humano podendo levar à morte na dependência da quantidade ingerida. A antitripsina atua inibindo a formação de diversos enzimas que participam do processo de digestão nos mamíferos, incluindo a tripsina., as quais hidrolisam as proteínas que ingerimos transformando-as em aminoácidos, para que possam ser absorvidas pelo nosso organismo. Sua ação se dá ao nível do duodeno, a primeira porção de nosso intestino logo depois do estômago.

A falta de tripsina provoca sérios problemas pancreáticos e mesmo pulmonares. Já a lectina, simplificando, é uma proteína que, quando presente em mamíferos monogástricos (portanto excluem-se os bovinos, os caprinos, os ovinos, etc), provoca aglutinação das hemácias (formando pequenos coágulos) e assim provocando entupimentos de vasos de menor calibre. Ora, os tais ratos do experimento foram submetidos a uma dieta exclusiva e à vontade, constituída por feijão cru, onde estão presentes em altas concentrações essas proteínas danosas (antitripsina e lectina) de curso mortal para mamíferos monogástricos (que têm um só estômago). Só tinham que morrer mesmo!